CDUA Comissão Coordenadora da CDU da Murtosa reuniu recentemente e procedeu à análise da situação política nacional e local.

São cada vez mais visíveis também no Concelho as sérias consequências económicas e sociais das políticas recessivas dos últimos governos que o pacto de agressão, assinado por PS, PSD e CDS com a troika estrangeira e o rumo de desastre e verdadeiro terrorismo do governo Passos e Portas só estão a aprofundar e a agravar.

Nesta reunião fez-se ainda um balanço dos quase quatros anos deste Executivo Municipal, onde não deixamos de valorizar algumas obras realizadas pela autarquia neste mandato. Todavia, salientamos diversos problemas sentidos no concelho para os quais esta nada fez para a sua resolução.

Exemplo cabal disto é a questão das acessibilidades ao concelho há muito sentida. Aqui de facto, os acessos rodoviários são manifestamente insuficientes o que causa grandes dificuldades à mobilidade dos cidadãos, prejuízos económicos ao concelho e às empresas aqui instaladas, constituindo simultaneamente motivo para que outras optem pela sua instalação noutros concelhos. A decisão da alteração do percurso da A 29, afastando-o da Murtosa sob o falso pretexto da defesa ambiental, veio criar mais um entrave à vida neste Munícipio traduzindo-se no seu isolamento.

Mas não é apenas a ligação a outros concelhos a principal barreira na vida dos Murtosenses. Também a falta de uma rede interna de transportes públicos que sirva verdadeiramente a população com horários que, manifestamente, não servem a maioria dos moradores, no acesso ao trabalho e à escola, nem os idosos nas suas deslocações, é um grande obstáculo ao dia-a-dia da população.

A crescente violência sentida nas escolas associada ao desinvestimento que a educação tem sido alvo, exige uma maior resposta por parte do Executivo Municipal. Urge fazer pressão nos locais devidos para que exista um maior policiamento na zona escolar, mas não só. Urge ainda estar ao lado da escola pública, exigindo investimento para que se criem melhores condições para os profissionais e estudantes.

Outro aspecto de grande necessidade que o Executivo Municipal não deu resposta prende-se com a falta de locais e de um programa de ocupação de tempos livres para os jovens. Não é segredo que existem práticas criminais protagonizadas por jovens. Numa altura de crise económica e social, em que milhares de jovens são empurrados para o desemprego, a existência de infra-estruturas e actividades desportivas e culturais para uma saudável ocupação dos tempos livres deve ser uma linha de actuação para a prevenção da toxicodependência, o combate à miséria e à marginalidade juvenil.

Lacuna gritante é a demora na implementação do tão falado programa Polis, principalmente na zona norte do Concelho, sobretudo na recuperação das ribeiras e protecção dos campos agrícolas da invasão das águas da Ria. Não dependendo directamente da Câmara Municipal, a verdade é que esta nada tem feito para que aquelas obras comecem.

No interesse de todos, além disso, a Câmara, em colaboração com a capitania, devia ter um gabinete de apoio ao pescador para tratar dos assuntos inerentes à sua actividade.

 

Murtosa, 31 de Maio de 2013

Comissão Coordenadora da Murtosa da CDU

Para o topo