O PCP está solidário com os trabalhadores dos CTT do posto de distribuição da Taboeira, em Aveiro, que, em greve, se concentraram hoje junto ao seu local de trabalho. Numa massiva adesão, 50 dos 54 trabalhadores efectivos fizeram greve, os trabalhadores demonstraram as razões da sua luta, a falta de pessoal, as excessivas horas de trabalho, as pressões e a tentativa de deslocalizar serviços.

Neste posto, os trabalhadores são alvo de pressões diárias, com trabalhadores contratados para fazerem por 6 horas diárias, mas que se vêm forçados a trabalhar 10 horas por dia, não lhes deixando tempo para conciliar a vida familiar com o trabalho.

As justas reivindicações destes trabalhadores que com a privatização deste serviço viram as suas condições de trabalho diminuírem e o volume de trabalho aumentar devido à falta de trabalhadores necessário para o bom funcionamento dos serviços, demonstram, uma vez mais, a necessidade da recuperação do controlo público dos CTT.

Por tudo isto, uma delegação do PCP esteve em contacto com estes trabalhadores para lhes mostrar a sua solidariedade com a sua luta que passa pelo “fim do encerramento de estações de correio” ou a “não à deslocação de serviços”. O PCP reafirma: é um imperativo nacional, de soberania, coesão territorial e justiça social, que se inicie o processo de recuperação do controlo e gestão do serviço postal universal por parte do Estado, através da reversão da privatização dos CTT – Correios de Portugal.


O Gabinete de Imprensa da DORAV do PCP
Aveiro, 10 de Maio de 2019

 

Para o topo