Neste dia de extrema importância para a luta de todas as mulheres, o Dia Internacional da Mulher, e sendo a Santa Casa da Misericórdia de Estarreja um local de trabalho onde predominantemente os trabalhadores são mulheres, o PCP manifesta a sua solidariedade com a greve hoje realizada pelo aumento dos salários para todos os trabalhadores, pelo pagamento das diuturnidades que lhes são devidas, pelo reconhecimento das categorias profissionais que efectivamente exercem, pelo respeito pelos direitos da parentalidade, contra a retirada de direitos e contra a desregulação dos horários de trabalho.

É inaceitável que a União das Misericórdias Portuguesas e as Santas Casa da Misericórdia suas associadas se recusem a pagar as diuturnidades previstas na PRT e sejam coniventes e conscientes da infracção que estão a cometer, mas permaneçam confortáveis a pagar salários de miséria, muitas vezes de 580€ a quem tem mais de 20 anos de trabalho.

Aos trabalhadores são devidos milhares de euros, e o Ministério do Trabalho e a Autoridade para as Condições do Trabalho não podem ficar simplesmente a assistir.

É profundamente contraditório que estas instituições, que tanto proclamam os valores da ajuda ao próximo, o façam acumulando património enquanto sujeitam os trabalhadores a baixos salários!

Para o PCP é urgente que a legalidade seja reposta e os trabalhadores sejam ressarcidos das perdas que tiveram. Tudo faremos para que assim seja e apelamos aos trabalhadores que não desarmem na luta até que se faça justiça.

Aveiro, 9 de Março de 2018
Gabinete de Imprensa da DORAV do PCP

 


Para o topo