TRABALHO HONESTIDADE COMPETÊNCIA

CDU -No concelho e no País
Força necessária
 

A campanha começou cedo com uma distribuição às 7h30 no Hospital de Aveiro. Seguiu-se uma passagem pela escola básica de Santiago, lembrando aos pais que os manuais escolares gratuitos se devem a uma proposta do PCP finalmente aprovada no Orçamento do Estado depois de décadas de luta. Ainda no mesmo dia, os candidatos realizaram uma distribuição na empresa Rodi na freguesia de Eixo, acabando o dia numa arruada pela freguesia de S. Bernardo.

Contando com a presença de Nuno Teixeira, cabeça de lista da CDU à Freguesia, a delegação onde se integrava Miguel Viegas, candidato à Câmara Municipal, percorreu vários pontos da freguesia, ouvindo os munícipes e dando a conhecer as suas principais propostas. O miserável estado do pavimento da estrada de S. Bernardo, a falta generalizada de passeios, de áreas verdes ou de equipamentos foram as queixas mais recorrentes, sem contar com a questão do centro de saúde ou da escola básica cujas obras estão prometidas há décadas.

A CDU esteve em campanha na freguesia de Aradas, com a candidata da CDU, Isabel Passos, em contacto direto com a população, acompanhada de Miguel Viegas e Filipe Guerra, candidatos à câmara e Assembleia Municipal de Aveiro.

Nas várias dezenas de contactos realizados em diversos pontos da freguesia, confirma-se uma sensação de abandono naquela que é uma das mais populosas freguesias do concelho de Aveiro. Maus acessos, estado deplorável da rede viária, falta de passeios e poucos transportes públicos, tais foram as principais queixas dos munícipes que deveriam merecer mais respeito por parte da Câmara Municipal.

A campanha da CDU desdobrou-se hoje entre as freguesias de Glória e Vera Cruz e Oliveirinha, com os candidatos Miguel Viegas e Filipe Guerra, respectivamente à Câmara e Assembleia Municipal de Aveiro, acompanhados de Rosa Gadanho e Hélio Guilherme, candidatos às duas freguesias.

Na parte da manhã, a CDU esteve no mercado Manuel Firmino, contactando com produtores, vendedores e utentes, destacando a importância do comércio local e da dinamização da agricultura de proximidade. De salientar que, a maioria dos produtores são de fora do concelho, o que, desde logo, deveria merecer uma reflexão dos responsáveis autárquicos. Na opinião da CDU, não é possível defender a economia local e continuar a licenciar grandes superfícies comerciais dentro e fora da cidade de Aveiro. Pela parte da CDU esta deverá ser uma política a ser revista no próximo mandato.

A candidatura continua privilegiando o contacto direto com a população. Depois dos candidatos Miguel Viegas e Rosa Gadanho terem reunido com a Corda, Associação de desenvolvimento local, a comitiva deslocou-se à União de Freguesias de N.Sª Fátima, Requeixo e Nariz, com o candidato Milton Matos a jogar em casa.

Na reunião com a Corda, foram trocadas várias ideias com vista à dinamização do centro histórico da cidade de Aveiro. Pela parte da CDU existe toda a disponibilidade para contribuir com a valorização de toda a área envolvente à Praça da República, criando uma porta de entrada na cidade através da Praça Marquês de Pombal e contrariando uma certa secundarizacão daquele que é o núcleo histórico de Aveiro.

Rui Figueiredo, cabeça de lista da CDU à freguesia de Esgueira, numa ação de contacto onde participou igualmente Miguel Viegas, candidato da CDU à Câmara de Aveiro para além de outros candidatos da lista, apontou para o caos que representam as acessibilidades ao centro histórico de Esgueira, sobretudo a partir da EN109.

Apesar das promessas sucessivas ao longo de vários mandatos, os principais arruamentos do centro histórico Esgueira encontram-se degradados, com passeios semi destruídos ou, em não raros casos, sem passeios onde o transeunte compete diretamente com o automóvel o seu espaço de deslocação. O facto de se ter mudado a entrada na Junta de Freguesia para as traseiras do edifício, tendo em conta a falta de segurança da rua Bento Moura, demonstra bem a situação a que se chegou.

A situação da EN230 ou rua do General Costa Cascais é gritante, representando bem a impunidade do poder autárquico incapaz, descumprindo com as suas promessas. Esta rua, onde não há passeios, representa a principal entrada para a freguesia de Esgueira e para o seu centro. Circulam por aquela rua mais de 800 veículos por hora, representando um autentico atropelo aos muitos transeuntes que por ali passam, incluindo crianças acompanhadas pelos pais que frequentam o Centro Social de Esgueira.


Para o topo